Actualice su navegador
ir al contenido

Rochester Hotel - classic

Recoleta

O bairro deve seu nome ao Convento dos Recoletos Descalços (fundado em 1716) e atualmente é um dos mais elegantes da cidade.

1. Biblioteca Nacional, Agüero 2502
A Biblioteca Nacional foi fundada em 1811. Tem uma coleção de aproximadamente 2.000.000 de exemplares e sua hemeroteca é a mais importante da América Latina. O edifício atual foi projetado pelo arquiteto Clorindo Testa em colaboração com Alicia Cazzaniga e Francisco Bullrich. Desde seu projeto até sua inauguração em 1992 transcorreram três décadas. Possui nove salas de leitura com uma capacidade total de 940 leitores e, entre outras dependências, um auditório e uma escola de bibliotecários. 
 
2. Praça República Oriental del Uruguay, Av. del Libertador, Austria, Tagle e Av. Figueroa Alcorta
No centro da praça se levanta o monumento ao general José Gervasio de Artigas. É obra do escultor José Luis Zorrilla de San Martín e do Arquiteto Alejandro Bustillo. 
 
3. Praça Mitre, Avenida del Libertador com Luis Agote
Detrás do barranco desta praça, ao redor da rotunda de Gelly e Obes, encontra-se uma das zonas residenciais mais exclusivas de Buenos Aires. Entre os edifícios de arquitetura francesa do bairro se destaca a embaixada de Grã-Bretanha.
Bartolomé Mitre foi um destacado político argentino nascido em 1821 e eleito presidente em 1862. 
 
4. Praça França, Av. del Libertador, Ricardo Levene, Dr. Luis Agote com Av. Pueyrredón
O monumento central desta foi realizado pelo escultor francês Edmond Peynot. Inaugurou-se em 1910 e é o primeiro levantado em nosso país doado por uma coletividade estrangeira com motivo do Centenário da Revolução de Maio. 
 
5. Museu Nacional de Belas Artes, Avenida del Libertador 1473
É o mais importante em nosso país e um dos principais da América. Tem 32 salas, nas quais se expõem as amostras permanentes e itinerantes. Sua coleção conta com mais de 10.000 peças.
Destacam-se obras de Goya, El Greco, Tintoretto, Rembrandt, Degas, Van Gogh, Picasso, Kandinsky, Miró, Bourdelle, Rodín, Cándido López, Prilidiano Pueyrredón, etc. 
 
6. Faculdade de Direito, Av. Figueroa Alcorta 2263
A Faculdade de Direito da Universidade de Buenos Aires foi fundada em 1821 pelo reitor Dr. Antonio Sáenz. O edifício é o resultado de um concurso de anteprojetos adjudicado aos arquitetos Arturo Ochoa, Ismael Chiapore e Pedro Vivent. Está inspirado no mais puro estilo dórico, sem outra decoração que a dada pela sua própria estrutura monumental, conforme o requer o estilo clássico. É de 1949 e ocupa uma superfície de 40.000 metros quadrados.
No interior do edifício há um museu, uma pinacoteca e uma biblioteca. 
 
7. Praça Torcuato de Alvear, Entre Avenida del Libertador, Pueyrredón, Alvear e Junín
Aqui é realizada nos fins de semana uma das feiras de artesanato mais prestigiosa de Buenos Aires. É um dos lugares da cidade com major presença de artistas das ruas. Em sua superfície há edifícios históricos e um centro comercial. 
 
8. Monumento ao Gral. C. M. Alvear
O monumento ao Gral. Carlos María de Alvear é obra do escultor Antonio Emilio Bourdelle, que fora discípulo e colaborador do francês Auguste Rodin. Bourdelle demorou quase dez anos em construí-la. O general Carlos María de Alvear foi colaborador de San Martín, presidente da Assembléia do ano XIII e Diretor Supremo das Províncias Unidas do Rio da Prata em 1815. 
 
9. Palais do Glace, Posadas 1725
Desde 1911 até 1921 funcionou aqui a primeira pista de patinação sobre gelo que se construiu em Buenos Aires. Depois se converteu em um elegante salão de tango. Atualmente é um centro estatal de exposições de arte. 
 
10. Av. Alvear e Hotel Alvear, Originalmente chamada Bela Vista, foi traçada em 1885 por iniciativa do primeiro Intendente de Buenos Aires, Torcuato de Alvear, e comemora seu pai Carlos María de Alvear.
O hotel é um dos mais importantes da cidade. O edifício é de 1928. Conta com 280 habitações e amplos terraços com vista para o rio. 
 
11. Centro Cultural Recoleta, Junín 1930
Inaugurado em 1979, funciona em um edifício do século XIX que pertenceu aos frades recoletos. A reforma esteve a cargo dos arquitetos Jacques Bedel, Luis Benedit e Clorindo Testa. Conta com 27 salas de exposição nas quais são apresentadas amostras de artes plásticas, concertos, teatro, dança, perfomances, música eletroacústica, expressões videográficas, etc. 
 
12. Basílica Nossa Senhora do Pilar, Junín 1892
Terminou de ser construída em 1732; a obra foi dirigida pelo arquiteto jesuíta Andrés Blanqui. Conserva os retábulos, grande parte das imagens e elementos de culto da época em que os frades recoletos habitavam o convento. Junto à igreja funciona um pequeno museu. 
 
13. Cemitério da Recoleta, Junín 1790
Que fora o horta dos monges recoletos se converteu em cemitério público em 1822, depois da expulsão da ordem religiosa. Em seus quase seis hectares jazem os restos de próceres, guerreiros da independência, presidentes da República, escritores, cientistas e artistas. 
 
14. Área gastronômica, A partir da popularidade do bar La Biela, na zona começaram a surgir restaurantes, cinemas, discotecas, cafés e bares que terminaram de moldar a fisionomia do bairro. É uma das zonas mais visitadas da cidade, tanto de dia como de noite. 
 
15. Bar La Biela, Quintana com Roberto M. Ortiz
Chama-se assim desde 1942 (antes era o Café Aero Bar), quando se transformou no ponto de reunião de jovens aficionados ao automobilismo. Seu sucesso impulsionou o desenvolvimento de muitos negócios gastronômicos em frente do cemitério. Em 1999 foi declarado Local de Interesse Cultural pela Legislatura da cidade. O bar está localizado na Avenida Quintana, que aparece nos planos de Cristóbal Barrientos de 1772. Era chamada de “a rua longa” porque não atravessava nenhuma outra até a avenida Callao. 

Subir